Discreto e artesanal!

 

Você pode pensar em cachaça ou cerveja artesanal.

Pensou em vinho? Não é vinho.

Pensou em um canivete suíco ou cupcake?

Estas são características do trabalho do alfaiate.

Receber o cliente e tomar-lhe as medidas do corpo. Escolher o tecido e prepará-lo para ser algo único. Vestir o cliente e este sentir-se protegido e com o ânimo revigorado.

Uma profissão muito antiga

Considerada por muitos livros de História da Moda como uma das profissões mais antigas do mundo.

O termo em inglês Tailor existe desde 1927 e definia a profissão como ” cortador de tecidos.

Em português a palavra tem origem do árabe alkhayyát do verbo kháta que significa ” coser “.

No início

Antes do privilégio de ter suas roupas confeccionadas por alfaiates, as roupas eram feitas dentro de casa.

O tecido saia das mãos do tecelão e ia direto para dentro das casas.

Conforme algumas pessoas se destacaram nas costuras das roupas, iniciava-se a profissão do alfaiate.

O alfaiate destacou-se pelo olhar direcionado para a modelagem e formato das roupas a partir dos diversos dos tipos de tecido que foram surgindo.

Evoluir para sobreviver

Para se relacionar com um público abastado e culto, foi necessário se tornar culto.

Consequentemente , por causa do contato direto com seus clientes e por causa do acesso à leitura, os alfaiates começavam a participar de grupos sociais frequentados por ricos.

Curiosidade

Savile Row

A eterna Savile Row

A história da Savile Row vem desde 1785.

A rua londrina é até hoje conhecida por suas respeitadas e tradicionais alfaiatarias.

Nos anos 60, existiam em torno de 100 delas no local.

Nesta época, o escritório e estúdios dos Beatles dividiam espaço com os alfaiates da rua.

Nos anos 80, o número caiu para 50 e hoje não passam de 20.

De qualquer maneira, a rua continua sendo sinônimo da boa alfaiataria, feita à mão com as mesmas técnicas usadas em 1800.

Entre seus clientes, a rua recebeu desde Winston Churchill até Sean Connery.

Falando em Sean Connery,

a profissão já foi apresentada em diversos filmes:

A arte se inspira na vida e a profissão e seu romantismo inspirou muitos filmes:

Highlander II – No qual a primeira preocupação de Ramires ( Sean Connery) é visitar um alfaiate e se preparar antes da batalha.  O trabalho foi pago com um diamante.

Sean Connery e o alfaiate.

Ramires explicando ao alfaiate que tipo de roupa deseja.

Bossa Nova – filme brasileiro com Antônio Fagundes, onde nosso alfaiate, o senhor Macedo Leal, trabalhou orientando os atores na arte da profissão.

Uma linda mulher – o alfaiate visita Richard Gere.

Homens de preto – onde Will Smith veste o “último terno da sua vida”.

George, o Rei da Floresta que ficou muito bem em um Armani.

Kingsman que enaltace a profissão de um modo particular – a alfaiataria é uma quartel general de agentes do governo que protegem o país.

Alfaiataria hoje

Alfaiate em Goiânia – Fonte: Jornal O Popular

Hoje a alfaiataria voltou a ter a exclusividade que tinha quando começou.

Poucos homens investem em peças feitas sob medida, mas esses dificilmente voltam a comprar um terno fabricado em série.

O sob medida nunca perdera seu charme.

40 horas para o seu sucesso

O cliente, seu terno e seu alfaiate.

Fazer um terno de qualidade leva tempo.

A média estimada para se fazer um costume é de 40 horas, mas separe no mínimo quatro semanas para provas e ajustes.

Animou-se? Venha e visite o alfaiate Macedo Leal.

Quem é Macedo Leal? clique e saiba mais sobre este profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.